quarta-feira, 19 de maio de 2010

O BORDADO

Antonio quando era pequeno, via seus pais brigando por tudo, ele chegava em casa, e via discussão hora por hora.
Sua mãe costumava ir à igreja que ficava uns três quilômetros da sua casa, o que mais lhe chamava a atenção era que mamãe nunca discutia.
Ele se Lembra, que sentava-se perto dela e se sentia muito seguro, apesar de tanta briga.
Lembra de ver a sua mãe bordando uma toalha.
Ele observava seu trabalho de uma posição mais baixa de onde ela estava sentada, e lhe perguntava o que estava fazendo, dizendo-lhe que de onde ele estava o que ela fazia parecia muito confuso, porque ela usava alguns fios de cores escuras e porque me pareciam tão desordenados.
Ela sorria para Antonio, olhava para baixo e gentilmente dizia a ele:
"Filho, saia um pouco para brincar e quando terminar meu bordado te chamarei e te colocarei sentado em meu colo e te deixarei ver o bordado desde a minha posição".
Minutos mais tarde ele escutou a mamãe chamando:
"Filho, vem e senta-te em meu colo".
Ele fez de imediato, e no colo da mãe surpreendido e emocionado ao ver a formosa flor e o belo entardecer no bordado.
Não podia crer; de baixo parecia tão confuso.
Então sua mãe lhe ensinou:
"Filho, de baixo para cima tudo te parecia confuso e desordenado, porém não te ocorria de que há um plano acima.
"Havia um desenho; só o estava seguindo.
Agora olhando-o da minha posição saberás o que estava fazendo".
Então ele descobriu porque a mãe não se aborrecia com as brigas de seu pai, ela sabia que no fundo o problema que papai estava passando iria acabar, e que a fé que ela buscava jamais a deixaria na mão.
Muitas vezes olhamos para o céu e nos perguntamos:
"Pai o que estais fazendo?”.
Ele responde:
"Estou bordando tua vida".
E nós replicamos:
"Mas está tudo tão confuso, meu casamento esta tão difícil?".
E neste momento recebemos a resposta ..
"Meu filho, ocupa-te de teu trabalho e Eu farei o meu, ame sua família, seu marido e o resto receberas por acréscimo.
Evangelize!!!!!
(Por Padre Marcelo Rossi)

sexta-feira, 7 de maio de 2010

A DIMENSÃO DO AMOR

Uma senhora que vivia tentando por muitos anos ter um filho, viu seu sonho realizado. Recebeu dos braços da enfermeira um lindo bebê. Porém, qual não foi a sua surpresa quando notou que a criança havia nascido sem orelhas.
Preocupada, perguntou ao médico se o menino tinha perfeita audição. Um exame foi realizado e ficou constatado que o aparelho auditivo era normal. A mãe, conformada, levou o filho para casa. Seu amor não diminuiu pela criança, mas à medida que esta crescia observava o tratamento que outras crianças lhe davam.
Com freqüência seu filho voltava para casa chorando! Isso era como uma punhalada a ferir e magoar o coração daquela mãe.
Consultou o médico, novamente perguntando se algo poderia ser feito pelo filho. O doutor revelou que se encontrassem alguém que doasse um par de orelhas, poderiam tentar um implante quando o rapaz chegasse aos 21 anos.
Os anos se passaram e um dia os pais revelaram a alvissareira notícia de que tinham encontrado alguém para doar as orelhas.
A operação foi realizada com grande êxito. Qual não era a satisfação e a alegria daquela mãe ao contemplar o jovem, olhando-se no espelho e dizendo:
- Veja, mãe, sou agora como todos os outros rapazes. Voltava-se então, para sua mãe e lhe perguntava:
- Mamãe, quem foi que me doou este par de orelhas?
- Ah! Meu filho, agora não podemos revelar-lhe ma um dia irá saber.
Passaram-se os anos e o jovem casou-se e teve filhos, todos normais. Certa vez, ocorreu uma das grandes tristezas deste mundo: havia perdido sua mãe.
Na sala funerária, pai e filho, olham pela última vez o corpo inerte, gélido, daquela senhora tão bondosa. Depois que todos saíram, o pai diz ao filho:
- Meu filho, venha comigo despedir-nos de sua mãe. Ambos se aproximaram do esquife e ali pela última vez o filho contemplou sua querida mãe. De repente, para surpresa daquele filho, o pai puxa de lado os longos cabelos negros de sua esposa e o filho observa, pela primeira vez que sua mãe não tinha mais as orelhas...

Esta é a grande dimensão do Amor! Oferta! Sacrifício!

sábado, 1 de maio de 2010

OS ANINAIS TEM MEDIUNIDADE?

Monica Buonfiglio
Para o espiritismo, alguns animais têm o que pode ser considerado como mediunidade, já que conseguem pressentir algo no ar e geralmente estão certos. Além disso, atuam como antenas que captam a energia negativa das pessoas que não desejam o bem para seus donos.
Os animais domésticos conseguem ver espíritos e até se comunicam com eles, pois têm uma visão mais penetrante que lhes permite distinguir os sinais que os espíritos fazem. Sua alma é muito parecida com a alma humana, porém é inferior. Entre a alma dos animais e a do homem existe tanta distância quanto há entre a alma do homem e Deus.
De acordo com Kardec, o codificador espírita, o homem é muito parecido com os animais, porém estes agem por instinto e também por inteligência, só que limitada. Não há como negar que alguns deles parecem ter atos combinados que expressam uma vontade de agir mediunicamente num sentido determinado e de acordo com as circunstâncias. Há uma espécie de inteligência e certa educação. Também têm uma linguagem; não uma linguagem formada de palavras e de sílabas, mas de um meio de se comunicarem e expressar as suas sensações.
Após a morte de um animal, sua individualidade é conservada no mundo espiritual ou universo superior (céu) e segue uma lei progressiva assim como a dos homens. Neste céu, ou mundo superior, onde os espíritos dos seres humanos são mais avançados, os animais também o são, tendo meios de comunicação mais desenvolvidos. Essa idéia é compartilhada por outras religiões: "os animais de estimação vão para o céu e isto depende de como o animal se comportou aqui na Terra, onde suas atitudes determinam sua bênção divina", disse o rabino Gershon Winckler. A especialista em vida animal Mary Buddemeyer Poter acredita que "todos os animais vão para o céu, já que são seres inocentes e livres do pecado". "Não importa como agiram na Terra, eles vão para o paraíso", disse um professor de Teologia da Universidade de Nottingham, na Inglaterra.
Segundo Brian Mc Sweenewy, vice-chanceler da arquidiocese de Nova York (EUA), "eles vão para o céu devido a ligação que seus donos têm com os mesmos, já que o céu foi criado para os humanos".
Há inúmeras identificações e correspondências entre os homens e os animais, arquétipos que representam as camadas mais profundas do inconsciente e do instinto. Contudo, apesar de considerados seres irracionais, a maioria deles vivencia a fraternidade, convivendo harmoniosamente com os seres humanos. Com os seus corpos, expressam emoções e o instinto da preservação da espécie que é notado em praticamente todos eles.
Os animais aparecem em diversas religiões como guardiões dos templos. No Egito, a zoolatria era levada a sério. Um egípcio era capaz de deixar sua casa ser queimada por um incêndio pelo dever em socorrer seu gato. Várias múmias de gatos foram encontradas nos sepulcros egípcios. Para Shiva (divindade indiana) toda a forma de vida é sagrada e não existem diferenças entre os homens e animais.
É importante lembrar que a diferença dos animais e homens é o principio inteligente, o poder de distinguir entre o bem e o mal, e a responsabilidade de seus atos. O homem é de fato, um ser à parte, uma vez que tem faculdades que o diferem de todos os outros por ter sua destinação.

Postado por BLOG DO DIDI : http://oblogdodidi.blogspot.com/